Manhattan

16 de outubro de 2010

Voltei há 8 dias e ainda não consegui colocar o post da viagem no ar.

Ainda estou digerindo a enorme quantidade de informações que recebi em Nova York.

Mas em uma palavra dá para resumir: PERFEITA! A viagem foi perfeita!

Conforme previsto, saímos de Brasília às 19h40, rumo a Sampa e depois para Nova York. A mala foi despachada direto em Brasília e não precisamos pegar nas malas até o JFK. O avião atrasou um pouco em São Paulo, então deu para passar no free shop e comprar um goró para o avião. Como sempre, a ansiedade não me permitiu dormir bem, mas a viagem foi boa.

A imigração, como por um milagre, foi tranquila. Não tivemos que responder a nenhuma pergunta e não passamos por nenhum detector.

Pegar o táxi foi mais tranquilo ainda e, em 1h e 20 após o desembarque do avião já estávamos chegando no hotel.

Táxi do aeroporto para o hotel

 O hotel é um caso a parte.

Eventi Hotel na 6ª Avenida.

Quarto

 Tudo novinho, zerado, cheiroso…

E a vista?

 …, limpinho, 10° andar, próximo ao metrô da Herald Square, burburinho, das compras…

Banheirinho

 Ah, e ainda dava pra ver o Empire State da janela.

Empire State da janela

 Chegamos bem cedo e para nosso espanto o check in foi imediato. Então pudemos subir no quarto, tomar um banho, trocar de roupa e… RUA!!!!

Saímos para fazer o reconhecimento da área e descobrir alguns lugares legais. Subimos rumo ao norte e demos de cara com a Times Square.

Times Square

E estava tão cedo que não tinha quase ninguém na rua e deu até pra tirar uma foto com os braços abertos… Hahahahaha

Entramos na Macy’s “pra ver de qual é”. E quer saber? É um absurdo!! Já nos perdemos, pra variar… É impossível fazer uma visita rápida…

Hummmm

Deu fome!

Fomos pra onde?

BUBBA GUMP!!!!

Bubba Gump

Preço razoável, ambiente kitsch, atendimento rápido, trilha sonora de primeira (fomos recebidos ao som de Free Bird do Lynyrd e comemos ao som de Simon e Garfunkel e Creedence), comida gostosa e bem servida. Olha o prato do Wal:

Shrimp pescado pelo Forrest... Hummm

 O meu não foi tão servido mas estava gostoso.

Depois do almoço fomos à primeira loja de “breguete de escritório” e à Conway, uma mistura de lojas Marisa com Americanas, só que pior, a verdadeira sucursal do inferno, mas eu entrei e comprei o kit básico de sobrevivência…

Volta ao hotel para uma “cesta” básica. Ao acordarmos fomos à primeira Barnes & Nobles, na 5ª Avenida. Deixei o Wal lá e fui “roletar” pelas imediações. Mal sabia eu que estava me dirigindo à Union Square, onde fica a DWS e fui dar o meu confere.

Ghandi - Union Square

Quando encontrei o Wal já estava escurecendo e a fome apertou. Jantamos no McDonald’s do lado do hotel e fomos conhecer a tal Jack’s 99, uma loja de 1,99 com os mais diversos breguetex.

Dormimos de cortinas abertas para poder acordar com o dia, já que estamos voltados para o nascente. E a dormida foi dos deuses.

No dia seguinte, acordamos junto com o dia e seguimos para o Brooklyn. O plano foi ir de metrô até o Brooklyn e atravessar a ponte rumo a Manhattan. Estava friozinho, nada que uma mão no bolso não resolvesse. O dia amanheceu perfeito e a caminhada foi superlegal.

Partindo do Brooklyn

Atravessando

Oooooooo

Em 40 minutos já estávamos de volta à ilha.

Encontramos um Starbucks e tomamos um supercafé com caramelo e chantilly e um doce com blueberry. Do lado do café estava a JR e Wal entrou pra encontrar seu mais novo brinquedinho, uma D-90 da Nikon. Ao lado da JR photo, estava a JR de instrumentos musicais, mais um estrago.

Com as mãos e mochilas cheias, fomos para o hotel de táxi para descarregar. Já era hora do almoço e fomos ao delicioso Olive Garden. Depois, fomos de metrô até o ferry para Staten Island para encontrar minha amiga Chiris. A viagem de ferry nos proporcionou uma passagem rápida pela estátua da liberade para umas fotos bem rápidas.

No metrô

Olha a Estátua da Liberdade aí, gente!!

Ao longe...

Voltamos de Staten Island 22h30, mais um táxi até o hotel e… …boa noite Cinderela…

Dia seguinte amanheceu “chovento”, nada de chuva grande, mas uma garoinha bem paulistana, daquelas que molham debaixo pra cima. Bem cedinho, pulamos da cama e fomos pra onde? CENTURY 21!!! Vou confessar que nem dei bola para o marco zero depois que vi o letreiro da loja. O objetivo era comprar roupas pra mim, mas fui no outono, as roupas não serviam para o inverno brasiliense, quiçá para o verão…

Acabamos nos atrasando para ir ao MoMA, plano adiado para a quarta-feira. Portanto, dia livre para compras… Hahahaha

Voltamos pro hotel de táxi, descarregamos as sacolas e fomos pra Macy’s. Pegamos o card de desconto nas compras e … Andei, andei, olhei, olhei… Wal deu P.T. (perda total) e despachei ele e as sacolas continuei na peregrinação. Esse dia não teve fotos, mas foi um delírio consumista que entrou dentro de mim… e que me deixou assim. Ainda passei na Duane Reade (farmácia-tem-de-tudo) e tive forças para bater perna pela TJ Maxx e Burlington Coats. O jantar foi, de novo, no Olive Garden, com direito o appetizer e drink.

Enfim, mais um dia, dia 5 de outubro…Dia da gincana: “Topa tudo para gastar dinheiro”. Descobrimos que deixamos muitas coisas para trás na Century 21 e que tínhamos que voltar, como a loja abre 7h45, acordamos às 6h30 e corremos pra loja… Hahahaha Maratona para comprar presentes e encomendas. Saímos da gincana às 9h30 e voltamos para o hotel para descarregamento.

E enfim, começou o primeiro passeio cultural da viagem.

No mezzanino do Met

Fomos ao MET – Metropolitan Museum of Art. Não sabia que dava para entrar no Central Park de carro e essa foto acima foi o mais perto que consegui chegar do parque… Mais um item para o “fica para a próxima”.Não preciso falar que o acervo do Met é fantástico e só com um mês em Manhattam é possível destrinchar o colosso de museu. Almoçamos no “bandejão” do Met, um self-service de primeira com direito a muita salada. Mais Met e MetStore. As fotos do museu merecem um post especial.

Ainda estava garoando, por isso pegamos um taxi até o hotel para deixar mais algumas sacolas, trocar de roupa e, de metrô, voltar para a 5ª Avenida para passar na outra Barnes & Nobles e eu fazer mais algum reconhecimento de área com compras incluídas. Voltamos à pé da 42 até o hotel. Eu ainda tive forças para ir à Jack’s 99 para comprar os últimos presentes. O jantar foi no Mc, mais uma vez, porque o Wal foi buscar, pois, por mim, não teria comido nada, só dormido.

Dia 6 de outubro, último dia inteiro, começou slow, pelo menos até sairmos do hotel, o MoMA só abre 10h30, então, sem pressa para chegar, só para comprar.Voltamos à 5ª Avenida para comprar o flash para a máquina do Wal. Como na tal loja não tinha o que eu queria, fomos para a B&H, loja de eletrônicos pitoresca, que vale a visita nem que seja para ver o sistema de entrega de mercadorias e os vendedores judeus ortodoxos. Meu objetivo? Comprar uns chaveirinhos “digital photo frames” para dar de presente. Aproveitei para comprar um pen tablet muito legal.Já atrasados para o MoMA, voltamos para o hotel para descarregar e, de táxi, seguimos para o museu.

Ahhh, o MoMA…

Com seu acervo menor foi possível curtir bem mais as obras, sem o desespero de estar perdendo alguma obra incrível, como aconteceu no Met.

O jardim externo do museu é muito legal, e como o clima estava bom, foi legal ver as pessoas curtindo o solzinho.

Jardim do MoMA

Depois, uma visita à lojinha do museu para comprar mais lembranças e um poster do Magritte.
Da arte para as compras!
Voltei na Macy’s, de novo, para comprar minha mala os últimos presentes.
Com as malas, começamos a organizar as coisas para colocar dentro. Quando a fome bateu, fomos nos despedir do Olive Garden, ótimo, como sempre.
Hora de arrumar as malas…
O último dia teria sido dedicado ao Central Park se não tivesse amanhecido chovendo… Enrolamos no hotel até a hora que parou de chover e fomos andar pelas redondezas, nos despedindo dos ótimos dias que passamos lá. Almoço, fizemos o check out e o bom e velho yellow cab para o aeroporto.
Anúncios

Mala de outono – checklist

11 de setembro de 2010

Minha próxima viagem está chegando.

Sempre faço checklist para as roupas e coisas que vou levar bem antes da viagem para poder colocar algumas para lavar, se preciso, e comprar o que faltar. Nunca tinha deixado escrito no blog, só fazia numa folha de papel e depois jogava fora.

Desta vez vai ficar para a posteridade.

Considerando quantos dias vou ficar, para onde eu vou (Nova York), a época do ano (outono), fui no weather.com e vi qual é a média de temperatura e o clima.

Posso pegar tempaturas máximas de 25ºC e mínimas de 10ºC, ‘tá ótimo, inverno em Brasília um pouco mais úmido (é o segundo mês menos chuvoso).

Levando também em consideração que estou indo para o templo maior do consumo, não vou levar quase nada. Vou comprar tudo e mais um pouco! Então a mala vai se restringir a duas ou três “mudas” de roupa. Não pretendo levar nem perfume, nem óculos escuros, nem brincos, nem relógio… E vou levar o quê, afinal?

Vamos ao checklist:

Roupas

  • 3  camisetas básicas;
  • 3 camisetas de manga longa;
  • Calcinhas (para todos os dias, pois, dizem que as calcinhas americanas não servem para brasileiras…);
  • 1  calça social;
  • chinelo;
  • pijama;
  • 1  suéter;
  • 2  cachecol;
  • luvas;
  • meia-calça fio 80;

Aí você, que por acaso está lendo, se pergunta: SÓ ISSO????

Bem, na viagem estarei vestindo uma camiseta básica, botas, calça jeans e vou levar meu casaco de couro e um suéter. ‘Tá bom, né?

Necessaire

  • shampoo;
  • condicionador;
  • creme para pentear;
  • desodorante;
  • escova de dente;
  • pasta de dente;
  • creme para o rosto;
  • “farmacinha” – com anti-ácidos, antitérmicos, chá de boldo e própolis.

Nem preciso dizer que os frascos que levar vão estar quase acabando para serem deixados lá mesmo e que vou comprar um monte de cremes para cabelo e corpo pra trazer.

Bagagem de mão

Vou levar uma mochila e uma bolsinha com os documentos principais.

  • livro;
  • celular;
  • notebook;
  • máquina fotográfica;
  • caneta e lapiseira;
  • caderninho de anotações;
  • suéter;
  • necessaire com maquiagem.

Ainda não decidi se vou de mala (aquela que eu quis tanto), que se quebrou na primeira viagem, ou se vou de mochila velha. Seja lá qual for, também não vai voltar (vou comprar uma mala, uma mochila de viagem e uma  para o dia-a-dia)…

Viagem para consumo é assim ida magra, volta gorda!


Roteiro para 5 dias em Nova York

5 de setembro de 2010

Só cinco dias?

Só…

Fazer o quê?

Aproveitar ao máximo!!!

Mapa de Nova York - 1860

Achei difícil fazer meu roteiro estático e fechado, pois este é um daqueles pra quem gosta de fazer passeios ao livre, andar bastante e, ao mesmo tempo, visitar museus e lojas, então, tudo vai depender das condições meteorológicas do dia, se chover vai ter museu e loja, se fizer sol vai ser andar pela cidade o máximo que der. Mas a princípio fica assim:

1º dia – sábado – Na verdade vou ficar 5 noites, e 6 dias, mas este primeiro não será turístico, vou visitar uma amiga “cachita”. Desembarco 7h40 no JFK, vamos para o hotel de shuttle (após sabe-se lá quanto tempo de imigração e trânsito), deixamos as malas por lá e vamos de metrô para o ferry que leva a Staten Island, aonde mora minha amiga. Vamos voltar só a noite e só vai dar tempo pra passar em algum mercadinho perto do hotel para compra de víveres (água, suco, biscoito), jantar em algum lugar e quem sabe ver as luzes da Times Square, Empire State que ficam pertinho do hotel, o que corpo aguentar vai ser feito…

2º dia – domingo – O dia vai amanhecer lindo e ensolarado. Vamos acordar com o sol às 6h54, tomar café nas redondezas e pegar um metrô para o Brooklyn (High Street), passar pelo Brooklyn Bridge Park (pra tirar aquela foto pro Facebook) e atravessar a ponte (disseram que demora uns 40min). De volta a Manhattan, passar por Wall Street e seus símbolos financeiros. Aí, já vai ser a hora do almoço e vamos fazer um “sorte ou revés” (entrar em algum restaurante e ver no que dá). Battery Park para tirar algumas fotos da “Gracinha da Liberdade” de longe. Passar pelo marco zero (onde ficavam o World Trade Center) e tentar entrar na Century 21 (tentar, porque dizem que domingo o bicho pega mais que o normal), se a coisa estiver muito feia, vai ser só pra dar uma olhada rápida – se der pra entrar – e voltar em algum outro dia bem cedinho (abre 7h45 durante a semana). Visita à B&H para comprar uma máquina fotográfica superlegal e metrô pra região do hotel (estação 34th Herald Sq) com direito a passeio pela Time Square pra encontrar um lugar pra jantar…

3º dia – segunda-feira – Mais um dia lindo de outono. Destino? MoMA. Abre às 10h30, então vai dar pra ir à pé do hotel, devagar vendo a vida passar, ou talvez ir a Grand Central Terminal e talvez comprar minha mala Samsonite na região, voltar pro hotel, deixar a mala e ir pro museu. No MoMA, encontro com as pinceladas de Matisse, Manet, Monet, Van Gogh, Dali… Talvez um café, um petisco, um dink (?)… Ou um almoço pela região. Como o dia estará lindo, e o sol só vai se pôr as 18h35, passeio pela região do Rockfeller Center e subida no Top of the Rock pra ver as luzes de Manhattan se acenderem. Jantar? Só Deus sabe…

4º dia – terça-feira – Mais museu. Met!!! Se continuar a acordar cedo, vai dar tempo de passar pelo Central Park. Só sei que 9h30 eu vou estar na frente do Met pra me esbaldar na arte egípcia, greco-romana, esculturas européias, a Great wave of Kanagawa (uma pintura japonesa superconhecida), e ainda ver obras de Van Gogh, Degas, Renoir, Gauguin, Picasso, Miró, Matisse. E, é claro, passar pela loja do museu e comprar “lembrancinhas” culturais. Almoço. Mais Central Park, até as pernas ou a barriga aguentarem. Volta pra região do hotel e Macy’s, que fica aberta até 21h.

5º dia – quarta-feira – Quem sabe não é hoje que volto à Century 21 pra me esbaldar? Quando sair já vai ser hora do almoço, com certeza… Volta pro hotel pra descarregar as sacolas, almoço e… E agora? São tantas as opções… Gostaria de ver o prédio da ONU, Chinatown, Little Italy, quem sabe não subir de novo no Top of the Rock? Pode ser também um passeio pela 5ª Avenida… E se ainda não tiver tido tempo, comprar a desejada mala Samsonite Xpace, média…

6º dia – quinta-feira – Dia de ir embora. O voo só sai às 19h40, ainda não sei como vou pro aeroporto, mas depois de tantas reclamações no tripadvisor.com, acho que vai ser de táxi. Dá pra fazer algum último passeio pela manhã, voltar pro hotel, fechar a mala, fazer o check out, deixar a mala no hotel e andar pelas ruas da região, comprar mais alguma besteira e… Bye NYC!

Ufa! Que dê tempo para tudo e o sol esteja sempre presente!


Guias de Nova York

4 de setembro de 2010

Essa viagem foi sonhada… Bastante sonhada.

O primeiro guia foi comprado há mais de 2 anos. Um guia visual da Publifolha, edição 2007.

Ótimo guia. A primeira parte conta a história do lugar (os índios chamavam a ilha que foi vendida aos holandeses de Man-a-hatt-ta), depois os principais pontos turísticos, arquitetônicos e culturais. Em seguida fala do ano em Nova York, médias de temperatura, chuvas e festividades.

Aí vem o guia propriamente dito, como eles dizem: “área por área”. Em cada uma das áreas é escolhida a parte principal com um mapa rua a rua. São mostradas as principais ‘atrações’, descrevendo do que se trata, se pode visitar, horários, preços e etc.

Agora a parte que o diferencia dos outros: As Indicações ao turista. Onde ficar, serviços, horários, preços, a conta, tips, comida e restaurantes.

E ainda tem o manual de sobrevivência, informações úteis sobre etiqueta, segurança, dinheiro (as moedas não têm números ou nome), como chegar e circular em Nova York (táxi, metrô, ônibus).

Finalmente o mapa da cidade, com os nomes das ruas e as principais atrações.

O segundo guia é da editora Ciranda Cultural, edição 2007.

Bem mais simplezinho (de bolso), já começa na orelha do guia com o mapa do metrô e de um pedaço de Manhattan. Dividido por cores, primeiro fala do “essencial”, principais pontos turísticos, compras.

Depois o “área por área”, que se inica com um mapa, as principais atrações, trajeto de um passeio a pé, compras, onde comer.

No final tem um “onde ficar”, “o que você precisa saber” com dicas de etiqueta e locomoção.

Sim e ainda tem um super mapinha guardado num compartimento especial. Muito bom pra levar no dia a dia.

E o terceiro e último é um guia de de passeios, também da Publifolha, edição 2009.

Este mostra dicas de passeios à pé de no máximo 5 km (sem contar as andanças para compras ou museus). Mostra os principais pontos turísticos, divididos por região.


NY here I go!!

10 de agosto de 2010

Agora é realidade!

Os Estados Unidos me querem...

Nova Iorque está na agenda!

Dia 1º de outubro embarcamos rumo à terra do tio Sam.

Agora é só escolher o hotel e juntar dinheiro para o delírio consumista… Hehehehe


Percevejos???

21 de julho de 2010

Hahahaha

Comecei a busca por Nova Iorque, e olha o que encontrei, saiu esses dias na Folha:

“Nova York, quem diria, agora caça percevejos”.

A cidade está infestada de percevejos, infestada, não, superinfestada!

Dizem que o problema é sério, mas quem vai acreditar que está se coçando todo porque foi mordido por percevejos em Nova Iorque? Se não saísse na Folha eu não ia acreditar nunca (mitos da internet). Aliás, eu achar que tinha levado os percevejos do Brasil…

Enfim, essas são as dicas pra se foder menos:

Essa é a fonte:

http://www1.folha.uol.com.br/turismo/766974-nova-york-quem-diria-agora-caca-percevejos.shtml

E deixo aqui uma cançãozinha pra animar meus preparativos:

“A pulga e o percevejo fizeram uma combinação
Fizeram a serenata debaixo do meu colchão
Torce, retorce, procuro mas não vejo
Não sei era pulga ou se era percevejo”.

Próxima viagem

16 de janeiro de 2010

Com o mundo a disposição da viajante, pra onde ir?

Agora que estou melhorando meu relacionamento com o “ter”, que tal o templo do consumo?

NY!!!

Nova Iorque

Que tal??!?!??

Agora só falta definir quando, quantos dias, onde ficar, o que fazer e principamente, o que comprar… Hehehehe

No mundo do consumo, como os consumistas…

Em breve, cenas dos próximos capítulos…